Menu Sites

Causas / Trem Barrinha

Trem Barrinha


Histórico:

O desenvolvimento, o seguir em frente, o avançar, tanto alardeado por nossos políticos não está sendo vivido pela população dos municípios de Barra do Piraí, Mendes, Engenheiro Paulo de Frontin, Paracambi e Japeri. O povo sofre com a falta de um trem que ligava estes municípios, e não falamos da criação de um novo ramal ferroviário, falamos da volta de um trem que era o grande fator de desenvolvimento da região, um trem carinhosamente apelidado por todos de “Trem Barrinha”.

A passagem desde trem era a garantia do Direito de ir, e vir, de muitas comunidades, que hoje agonizam por não ter como se locomover. É profundamente triste, ver o desaparecimento das raízes de várias localidades, pela simples falta de um modal de transporte, é o mesmo que viver sem luz ao lado de uma hidroelétrica.

A ferrovia não acabou, pelo contrário, é uma das melhores da América Latina, e continua transportando o progresso, mas isso é só para um pequeno grupo. Quem nasceu e vive vizinho aos seus trilhos, hoje tem de abandonar tudo para poder ter uma chance na vida.

O minério e seus derivados estão a cada hora passando para o bem do País, mas o ser humano mola mestra do futuro, está esquecido, subjugado a procurar longe dali, sua educação, sua oportunidade, e principalmente sua felicidade.

Japeri não sofre muito com a falta desde trem, pois ainda de sua estação existem trens para o centro do Rio de Janeiro. Agora Paracambi e Barra do Piraí tem um crescimento demográfico bem abaixo da média nacional, e Mendes e Engenheiro Paulo de Frontin tem um crescimento populacional bem próximo de zero, um absurdo para um País que vem aumentando sua população rapidamente, e hoje somos quase 205 milhões de habitantes.

Esquecer do ser humano é o maior erro desta nação, na Constituição todo o poder emana do povo, e para ele deve voltar, além de estar assegurado o Direito universal de ir e vir, mas a força do setor de minérios não pode deixar para trás o povo, já que sem ele não existiria a necessidade de extrair e beneficiar minérios.

A ferrovia não transporta bens de consumo imediato, como arroz, feijão, cimento, tijolos, não beneficia de um modo direto a população por onde corre seu leito, e por não transportar pessoas impede até o crescimento pessoal.

Queremos o Trem Barrinha de volta com uma partida simultânea de Barra do Piraí, e Japeri às 6 horas, ao meio dia, às 18 horas e às 22 horas.

O Movimento em Defesa dos Trens fez junto com a COPPE/UFRJ um estudo de viabilidade para a volta do Trem Barrinha. Se juntaram ao MDT o Instituto Amigos da Web, e a Associação dos Bombeiros Militares do Estado do Rio de Janeiro, na produção de vídeos que registram o abandono e o sofrimento da população.

Hoje é imperativo a volta do Trem Barrinha, Japeri e Queimados se tornaram um grande polo industrial, e até um Porto Seco foi criado em Queimados, o emprego continua difícil na região pela falta de mobilidade para quem mora ao lado, e transforma os municípios próximos em uma nova região metropolitana, esquecida e abandonada. O Estatuto das Cidades tem de ser aplicado para a volta, e expansão, do Trem Barrinha, é inviável deslocar grande quantidade de trabalhadores residentes na região por ônibus. O Trem Barrinha terá de ir até Engenheiro Passos, integrando todos os municípios, e ser no mínimo de hora em hora.

Infelizmente completamos 20 anos sem o Trem Barrinha. E agora unidos vamos lutar pela mobilidade urbana desta região, volta “Trem Barrinha” para o povo ter um futuro, viver melhor, e construir de verdade, nesta grande nação, a oportunidade para todos.

Manifesto:

Nós, cidadãos brasileiros, abaixo-assinados, vimos reivindicar à V. Exa. ao qual direciono esse documento, que seja retomada a circulação do trem de passageiros, intitulado "Trem Barrinha".

Desativado desde o seu acidente, em 18 de setembro de 1996, sua falta faz com que a população de diversos municípios sul-fluminense, tenham dificuldades de deslocamento entre eles ou para a área metropolitana do Rio de Janeiro.

Nossa reivindicação, é baseada em 4 pontos:
1- Que a Concessionaria, aqui intitulada MRS logística, tem que ceder, no mínimo, dois pares de trens de passageiros por dia. Baseado no artigo XX, do Cap. 9, do contrato em que o Estado Brasileiro, concede à iniciativa privada, as nossas ferrovias.
2- No Direito Universal de ir e vir, que foi extirpado da população com o fim do Trem Barrinha.
3- Com a construção de um polo industrial nos municípios de Queimados e Japeri, toda a região vai se transformar em uma grande área metropolitana, e o Trem Barrinha é o transporte para toda a massa trabalhadora, e o Estatuto das Cidades determina a acessibilidade total para a população.
4- Acostumados a ver o sofrimento dos moradores de Paracambi e Japeri com a concessionária de serviços públicos Supervia Odebrecht, pedimos que a nova concessão do Trem Barrinha não seja da Supervia Odebrecht.
Nestes termos, pedimos providências

Compartilhe:

Ir para o formulário de assinatura.
×